A importância da jornada

Na vida, algo que tende a acontecer é o foco na chegada. O foco na culminação de todo o trabalho feito e a esperança de que a conclusão de um projeto importante traga uma sensação de realização e contentamento, mas isso quase nunca acontece.

No budismo tibetano existe a tradição de criar mandalas, – desenhos geométricos com areia que representam o cosmos – criadas ao longo de várias semanas por monges, são uma imagem muito detalhada, criada a pouco e pouco, grão a grão. Quando a mandala está completa, após semanas de trabalho intensivo, é destruída num ritual em que não sobra nada. Este exercio mostra a brevidade no mundo, que é representado pela mandala. Tudo está em constante mudança, tudo o que o ser humano construir será eventualmente destruído. A prática ensina os monges a não se prenderem à ideia da mandala terminada como objetivo, atitude que levaria a uma devastação emocional quando o este fosse destruído, centrando o foco na aceitação do ciclo da criação e da destruição porque quando se procura validação pessoal no “produto final” o resultado será a desilusão.

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/ab/61/6c/ab616c87c30150298bc4a6f955219393.jpghttps://i2.wp.com/farm6.static.flickr.com/5099/5561291327_dcbfa8e037.jpg

 

Na minha experiência enquanto músico, a satisfação na atividade musical tem de vir do processo, isto porque o foco somente na exibição musical levará à criação de tensão e a um sentimento de vazio no final, quando as expetativas de uma exibição perfeita não são alcançadas. Criando um paralelismo é como se o trabalho fosse representado pela crição de mandalas e a apresentação fosse a sua destruição, no final não há nada a que nos possamos agarrar, não ficou perfeito mas temos de seguir em frente, para a próxima criação, para o próximo processo.

Como diria Leonardo da Vinci:

Nunca se vai ficar completamente satisfeito com uma música, nunca se vai chegar chegar ao fim da viagem.

A chave está em aceitar este ciclo de criação e destruição e viver no presente, reconhecendo que o futuro não tem existência além da forma de pensamento. E para isso é necessário escapar desta jaula de realidade conceptual e depositar significado na única coisa pela qual a vida é constituída, o presente. De qualquer modo, esta linha de pensamento não invalida a desvalorização do futuro, que é uma consequência do momento presente; e o mesmo se aplica ao passado, que tal como o futuro estão dependentes do presente, porque uma ação agora, cria o passado e determina o futuro.

 

Advertisements

2 Comments

Add yours →

  1. Claro que o caminho para chegar ao objetivo é importante e que é importante perceber que o que criámos vai ser destruído, mas teremos sempre de ter presente o resultado final e é bom termos satisfação com isso também. Outra coisa interessante é que o que criamos vai ser destruído e provavelmente a espécie humana um dia, mas tudo o que fazemos por minimo que seja, fará o grande, o grande? Sim, o universo. Porque sem as pequenas coisas o grande não existiria. Portanto, devemos sempre olhar para o resultado final e tê-lo como referência, mesmo que venha a ser destruído porque só com a sua existência é que haverá algo. E esse resultado por insignificante que seja pode mudar um número desta grande fórmula que é a existência. E temos de tentar obter sempre melhores números.

    Like

  2. Interessante esse exercício de destruição da mandala pelos monges tibetanos, não conhecia. Parece ter um efeito muito bom para lidar com as mudanças e aceitar a realidade.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: